ACERVO HISTÓRICO PDF Imprimir E-mail
Escrito por TI-ITOBINET   
Qui, 25 de Fevereiro de 2010 01:45

HISTÓRICO

No primórdio de 1828, no Distrito de Paz de Casa Branca, residiam os irmãos Alves Cunha: Fabrício e José, que foram os fundadores e primeiros donos da fazenda Rio Verde ou Cocais do Rio Verde. Dessa fazenda e das denominadas Boa Vista de Água Suja, de propriedade de Celestino e José Carreiro e Boa Vista do Rio Doce, do Barão José Fortine, é que originou Itobi.

Da data exata da fundação não se tem conhecimento, pois desconhece-se completamente não só a chegada de “Farrapeiro” - Antônio Martins Daniel - que foi quem empreitou a tiragem de dormentes das matas das fazendas já mencionadas, iniciando os trabalhos às margens dos Rios Doce e Verde, para o iniciado tráfego da Companhia Férrea Ramal de Rio Pardo, ligando Casa Branca a São José do Rio Pardo (27 de agosto de 1887), sendo a estação denominada Rio Doce.
O fato é que Antônio Martins Daniel - “ O Farrapeiro”, foi quem fundou a cidade, iniciada com a construção de dois ranchos. Em 1887 a povoação recebeu o nome de Vila Nova do Rio Verde. Só em 27 de dezembro de 1894, foi elevada a Distrito Policial, sendo até então, sub-delagacia.

É interessante notar-se que Vila era Vila Nova do Rio Verde, e não só a sub-delegacia, mas também o Distrito Policial criado era de Rio Doce e isto devido ao nome da estação ferroviária.
Em 7 de junho de 1897, através da Lei n.º 24, foi criado o Conselho Municipal. Por ato de 25 de outubro de 1897 foi restabelecido o Distrito Municipal pertencente ao Município de São José do Rio Pardo.

A Lei n.º 568, de 27 de agosto de 1898 anexou o referido Distrito ao Município de Casa Branca. Pela mesma Lei, Rio verde passou a ser chamada Itobi, que em tupi-guarani, significa água corrente verde ou rio verde.

Foi elevado a Município através da Lei n.º 5285, de 18 de fevereiro de 1959.

GENTÍLICO: ITOBIENSE

FORMAÇÃO ADMINISTRATIVA

Distrito criado com a denominação de Itobi, por Lei Estadual no 568, de 27 de agosto de 1898, no Município de Casa Branca.

Em divisão administrativa referente ao ano de 1911, figura no Município de Casa Branca o Distrito de Itobi (Itoby).

Assim permanecendo em divisão administrativa referente ao ano de 1933.

Em divisões territoriais datadas de 31-XII-1936 e 31-XII-1937, figura o distrito Judiciário de Itobi no Município de Casa Branca.

No quadro anexo ao Decreto-lei Estadual n.º 9073, de 31 de março de 1938, o Distrito de Itobi permanece no Município de Casa Branca.

No quadro fixado, pelo Decreto Estadual n.º 9775, de 30 de novembro de 1938, para 1939-1943, o Distrito de Itobi permanece no Município de Casa Branca, assim figurando no quadro fixado, pelo Decreto lei Estadual n.º14334, de 30 de novembro de 1944, para vigorar em 1945-1948, e nos fixados pelas Leis ns.º 233, de 24-XII-48, para 1949-53 e 2456, de 30-XII-53, para 1954-1958.

Elevado à categoria de município com a denominação de Itobi, por Lei Estadual nº 5285, de 18 de fevereiro de 1959, com Sede no antigo Distrito de Itobi, desmembrado do Município de Casa Branca.

Constituído do Distrito Sede. Sua instalação verificou-se no dia 01 de janeiro de 1960.

Em divisão territorial datada de 01-VII-1960, o município é constituído do Distrito Sede.

Assim permanecendo em divisão territorial datada de 15-VII-1999.


fonte:http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/dtbs/saopaulo/itobi.pdf


Estação Ferroviária


Inauguração: 27.08.1887
Uso atual: Polícia Militar (sem trilhos)
Data de construção do prédio atual: 1896

HISTORICO DA LINHA: O ramal teve origem na Cia. Ramal Férreo do Rio Pardo, empresa particular aberta em 1884 entre Casa Branca e São José do Rio Pardo, e adquirida em junho de 1888 pela Cia. Mogiana, que a transformou no ramal de Mococa, prolongando os seus trilhos em 1890 para atingir Canoas, estação 11 km à frente de Mococa e terminal do ramal. A partir de 1903, da estação de Ribeiro do Vale passou a sair o ramal de Guaxupé, que seguia até essa cidade. Em 1961, o trecho final do ramal entre Mococa e Canoas foi extinto, e em 7/11/1966, o trecho entre Ribeiro do Vale e Mococa também o foi. O que sobrou do ramal, de Casa Branca até Ribeiro do Vale, passou a fazer parte do ramal de Guaxupé e operou até 1977, quando a queda de uma ponte entre S. J. Rio Pardo e Ribeiro do Valle interditaram definitivamente a linha. Em 1986 o trecho entre Casa Branca e S. J. Rio Pardo foi reativado por um curto espaço de tempo. Por volta de 1992 os trilhos foram retirados.

A ESTAÇÃO: "No caso do Ramal Férreo podemos registrar, um aspecto importante: o aparecimento da cidade de Itobi a 16 Km de Rio Pardo que surgiu a partir de um acampamento de "peões" contratados pelo português Antônio Martins Daniel, responsável pelo fornecimento de dormentes para o ramal. Ali, ao redor de dois ranchos construídos pelo português, foram surgindo as primeiras casas de moradia e um armazém comercial. A evolução do pequeno povoado para vila se deu com a construção da Estação do Rio Doce". A estação de Rio Doce foi inaugurada em 1887 pela Cia. Ramal Férreo do Rio Pardo, com esse nome por causa do rio Doce, ali próximo; esta estação, inaugurada ainda pela velha ferroviazinha em 27/08/1887, não tinha nem sequer um prédio construído, e foi extinta em meados de 1888, logo após a Mogiana ter comprado a ferrovia e tê-la transformado no ramal do Rio Pardo. Logo depois, a Mogiana inaugurou a estação de Rio Verde, próxima ao ponto da velha Rio Doce, mas agora com o nome de outro córrego que passa hoje na entrada da cidade. Somente oito anos depois, a Mogiana construiu o prédio definitivo da estação nova para a vila nascente, que, em 1898, atendendo a pedidos dos moradores da vila, foi renomeada como Itobi, que, em tupi, também significa Rio Verde. O ramal foi, em 1890, prolongado até Mococa, Em 1959, Itobi separou-se de Casa Branca, tornando-se município autônomo. Em 1966, o ramal de Mococa foi desativado, a partir da estação de Ribeiro do Valle, mas o trecho que ia até Guaxupé, partindo dessa estação, foi mantido até meados dos anos 70, quando também foi desativado. A estação, agora parte do ramal de Guaxupé, acabou por ser desativada e posteriormente invadida. Em 1986, o trecho até São José foi reativado, com festas e tudo o mais, o que não alterou o abandono da estação. Logo depois, en-tretanto, veio a desativação definitiva, e os trilhos foram retirados no início dos anos 90. A estação acabou por ser reformada, e hoje funciona como sede da Polícia Militar na cidade.

Fonte: www.estacoesferroviarias.com.br/p/paulalima.htm

Acervo Histórico
ITOBI


Fonte: Assessoria de Imprensa

Prefeitura Municipal de Itobi - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização.
 

ISS ELETRÔNICO

DIÁRIO MUNICIPAL

GALERIA-IMAGENS